Reforma deve ser planejada reservando tempo para pesquisar bem e mudar de ideia

Atrasos podem ser evitados com planejamento. “O ideal é elaborar um cronograma para que cada fornecedor entre no momento certo na obra”, diz a arquiteta Andrea Balastreire.

Por problemas com um marceneiro, a administradora Letícia Moura, 37, precisou esticar por dez dias a reforma de seu apartamento de 116 m² no Itaim, que deve ser finalizada em um mês pelo empreiteiro Fábio Almeida: “Atrasou porque a medição dependia do piso, que não ficou pronto”.

A designer de interiores Mariane Cunha sugere planejar a obra com ao menos três meses de antecedência. “As decisões são de longo prazo, o projeto exige maturação, tempo para mudar de ideia e pesquisar.”

A arquiteta Joanna Marino abre “murais” na rede Pinterest e os compartilha com clientes na fase de planejamento. “Quem não tem profissional à disposição pode ir colecionando referências”, afirma.

Quer evitar erro? Evite acrescentar novas ideias ao projeto já definido. “Aquela coisa de ‘já que estamos quebrando vamos aproveitar’ pode ser um desastre total”, afirma Gilberto Belleza, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo.

Para a comerciante Zilda Ishida, 58, a empolgação custou um acréscimo de 100% ao orçamento. “Era para mexer na sala, mas incluímos quartos e banheiros. A reforma, que ia durar três meses, levou um ano.”

Obras sempre têm imprevistos, como a descoberta de uma fiação estragada, lembra Belleza. “Calcule ao menos 15% de sobra e saiba que pode não ser suficiente.”